quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

100 MIL VISITAS



\O/
Obrigada a todos os CURIOSOS que visitam esse blog ESTRANHO.



; )
Aldrêycka

domingo, 7 de novembro de 2010

O Misterioso Triângulo das Bermudas


clip_image002
Devido às vastas especulações e mistérios em torno deste tema, o Estranho Curioso achou que chegou o momento do TRIÂNGULO DAS BERMUDAS ganhar um post.
Sabemos que há relatos sobre desaparecimentos de aviões, navios e barcos no chamado "Triângulo das Bermudas", ou "Triângulo do demônio", ou "Triângulo da morte". Esta área está localizada entre as Ilhas Bermudas, Porto Rico, Fort Lauderdale (Flórida) e as Bahamas situada no oceano Atlântico. Sua dimensão é de aproximadamente 1,1 milhões de Km2, mas que pode variar para mais ou para menos devidos à fatores Físicos, Químicos, Climáticos,Geofísicos nesta área.
Incontáveis acidentes há foram registrados pela guarda costeira, não apenas barcos, aeronaves também, centenas delas desde 1945. Estima-se que 120 desastres por ano acontecem ali. Algumas embarcações nunca foram encontradas, e as que foram localizadas estavam sem nenhum sobrevivente ou corpo. Alguns navios cargueiros imensos, também sumiram e foram encontrados com a carga intacta, porém sem sua tripulação.
O curioso é que antes de desaparecerem, coisas estranhas acontecem, tais como: as bússolas giram sem parar, o céu fica nublado de repente num dia límpido e as mensagens que chegam à central de comando são distorcidas e com dificuldades de compreensão. As explicações obtidas destes acontecimentos são: abdução por OVNS (disco voadores ou marinhos), campo eletromagnéticos que atraíram os navios e os aviões selando-os numa tumba marítima, redemoinhos em alto-mar engolindo-os, buracos nos céus levando-os à outra dimensão, lapsos no tempo enviando-os para outras eras temporais, explosões no céu ou no mar (bolas de fogo) destruindo-os e reduzindo os destroços ao pó sem deixar vestígios, e de alguma forma bizarra e misteriosa, que estas aeronaves e embarcações tenham sido atraídos e para a perdida cidade de Atlanta, onde estão até hoje. Outra explicação bem improvável é a existência de um "Celacanto”, um peixe azulado pré-histórico, com 4 pernas residuais que traga as embarções e que já foi flagrado vivo em 1938 no Oceano Índico. Por outro lado os céticos levantam teorias mais próximas da realidade como: falhas humanas, furacões, ondas gigantes e problemas de variações nas bússolas.
É certo que vários aviões e navios passaram por estes mares que formam o Triângulo das Bermudas e nada acontece de anormal, visitantes navegam por estas águas quase todos os dias e nenhum incidente ocorre, porém não inibem os números de desaparecidos desta área.
clip_image004
O Vôo 19
Entre os desaparecimentos de aviões, o mais estranho e grandioso, foi o vôo 19. Um grupo de 05 aeronaves pilotadas por comandantes de alto gabarito na aeronáutica, saíram de sua base no Forte Lauderdale na tarde de 05 de dezembro de 1945 e nunca mais foram vistos. Sobre o comando do Tenente Charles Taylor, eles estavam realizando um vôo de rotina, quando suas bússolas começaram à girar e eles perceberam que estavam perdidos. Com base no relatório da Torre, pelas coordenadas e contatos pelo rádio, eles estavam próximos à Torre, mas não foram vistos, e tinham combustível suficiente para muitas horas de vôo, mas mesmo assim eles nunca mais apareceram. O céu estava limpo com pequenas nuvens esparsas (esse tempo tranqüilo e de boa visibilidade é relatado na maioria dos desaparecimentos), as últimas palavras do Tenente Taylor foram: "- Estamos em águas brancas... Estamos completamente perdidos..."
Será que esses aviões foram sugados por um vórtice do tempo e levados para uma outra era ou dimensão? Ou foram abduzidos por OVNS, que confundiram as comunicações no rádio? O relatório foi aberto devido aos estranhos relatos e gravações da base, mas como nunca foram encontrados vestígios ou corpos desta tripulação, foi fechado. Uma curiosidade ainda maior foi um avião de busca mandado para resgate de possíveis sobreviventes, desaparecer após 20 minuto de sua decolagem, e também nunca mais ter sido encontrado.
Há aqueles que dizem que a tragédia do vôo 19, foi uma falha humana, mas eu pergunto como comandantes tão bem treinados num céu com boas condições de vôo e em sua rotina poderiam errar grosseiramente ao ponto de sumirem. E não apenas uma aeronave, mas todas as cinco.
clip_image006

Embarcações
Entre as embarcações que se perderam no Triângulo das Bermudas, a mais conhecida é a francesa Rosalie, que em 1840 tinha como destino Havana - Cuba. Rosalie não desapareceu, mas seus tripulantes nunca foram encontrados. Este navio comercial foi encontrado à deriva com suas velas içadas e sua carga intacta. As hipóteses levantadas par o caso da embarcação Rosalie e outros navios fantasma localizados sem tripulantes são: poderiam ter matado o capitão e com medo da violência a tripulação teria abandonado o navio; ou que a carga poderia ser inflamável e tenha ocasionado pânico nas pessoas, as quais saltaram para o mar. Será? Ou tudo é um grande mistério e nossa vã filosofia só avistou a ponta do iceberg enigmático?
Mais adiante a Regata inglesa H.M.S. Atalanta em janeiro de 1880 saiu das Bermudas com destino à Inglaterra, porém ela perdeu-se na área do Triângulo da Morte com seus 290 tripulantes e nunca mais foi vista. Inúmeras buscas navais foram realizadas na área, mas sem sucesso. Desapareceram sem deixar nenhum vestígio.
clip_image008
Criou-se uma teoria, provada cientificamente em menores proporções, com cientistas que realizaram nas praias do Triângulo uma simulação, na qual bolhas de gás metano (que de fato existem no fundo destas águas em imensas proporções) foram colocadas nas águas através de dutos, criando um redemoinho, e na tentativa realizada com um barco simulando uma carga, foi tragado por este redemoinho. Portanto o desaparecimento do Atalanta dentre outros pode ser explicada por este fenômeno. Tal experiência foi documentada pela Discovery Channel em 2007.
Eis os 10 mistérios mais intrigantes que ocorreram no Triângulo das Bermudas, com base no livro de Charles Berlitz - O Triângulo das Bermudas:

Aeronaves
  1. 05/12/1945 - Cinco bombardeiros Avengers da Marinha dos EUA.
  2. 05/12/1945 - Um bombardeiro Martin PBM com 13 homens desapareceram após 20 minuto sem busca dos Avengers.
  3. 1947 - Um C-54 do exercíto dos EUA, desapareceu.
  4. 29/01/1948 - Star Tiger, um quadrimotor Tudor IV, perdeu-se com 31 passageiros e tripulantes
  5. 29/12/1948 - Um DC-3 com 32 passageiros mais sua tripulação, desaparecidos.
Embarcações
  1. 1840 - Rosalie, embarcação francesa encontrada comas velas içadas, a carga intacta, porém sem sua tripulação
  2. 02/10/1880 - A fragata inglesa: Atalanta desapareceu nas proximidades das Bermudas com 290 pessoas
  3. 03/10/1902 - Freya, barca alemã foi encontrada em Cuba com a âncora pendurada na proa, mastros quebrados e na cabina do comandante um calendário marcando dia 4, dia seguinte ao embarque e mais uma vez sem sua tripulação.
  4. 04/03/1918 - O U.S.S. Cyclops, um navio de suprimentos da Marinha Americana desapareceu sem deixar vestígios
  5. 1925 - S.S. Cotopaxi desapareceu com destino à Havana.
 
Enfim, todos estes relatos e gravações deixam a dúvida no ar, sobre o que realmente aconteceu à essas pessoas desaparecidas ou a estas aeronaves e embarcações que jamais foram vistas depois que entraram no Triângulo das Bermudas. Sejam céticos ou não, o que pode-se dizer é que acontecimentos misteriosos e absurdamente bizarros acontecem naquelas águas sinistras, nos deixando intrigados com relação ao mar que à milhares de tempos esconde seus segredos no mais profundo abismo negro.

Danielly Wanessa

 




Gostaria de agradecer a Danielly por ter ajudado o blog, e me presenteado com esse post!! Thanks so much!



sábado, 30 de outubro de 2010

GREYS: os aliens cinzentos e suas misteriosas abduções humanas.


Segundo a Ufologia, os Greys são os seres extraterrestres mais comumente flagrados e os responsáveis pela maior parte das abduções humanas e mutilação de gado. Não devem ser confundidos com os Reptilianos, pois diferentemente dos Greys, estes são muito provavelmente seres intraterrenos (da Terra, de dentro da Terra) e os cinzentos são cidadãos intergalácticos provenientes do quarto planeta do segundo sol do sistema estelar binário conhecido como Reticulus Romboidalis (Estrela de Bernard), localizado na vizinhança de Orion. Desde o incidente em Roswel esses seres tiveram maior visibilidade na Terra, e hoje seus atos são amplamente discutidos e difundidos para quem quer que queira pela internet. Assim, após o sucesso meteórico que os Repitilianos tiveram aqui no blog, agora é a vez dos Greys arrepiarem geral e matarem muitos de medo aqui no Estranho Curioso. 
 
Os Greys, também chamados de alfa, ou cinzentos – pela cor da sua pele, são os mais famosos dos seres extraterrestres intergalácticos. São muitos os avistamentos, histórias e teorias referentes a eles. Eles são muito comumente descritos pela comunidade científica, e principalmente por suas vítimas de abduções, como seres perversos, demônios ou raça de energia negativa, e que tem motivos e propósitos desconhecidos em relação à Terra. Eles parecem estar abduzindo, estudando e testando vários indivíduos há décadas. E a partir do incidente em 1947, em Roswel (Novo México, EUA), quando o governo americano supostamente capturou uma nave alienígena Grey, e fizeram um acordo com esses seres, que a priori se mostravam apenas interessados em estudar a raça humana através de abduções. Neste acordo, o governo permitiria as abduções em troca do conhecimento de novas tecnologias alienígenas. Dizem as más línguas que os Greys “não foram homens para cumprir sua palavra”: pararam de ensinar ao governo novas tecnologias, mas continuam com suas abduções cruéis. 
  
As macabras abduções dos Greys consistem em coletas de material biológico, sangue, sêmen, muco, e até mesmo experiências sexuais. Na verdade, acredita-se que estes seres foram molestados na infância tem um grande interesse na sexualidade dos seres humanos, uma vez que, hipoteticamente, eles se reproduzem através da clonagem e por isso a sua função sexual e genética estariam atrofiadas. Em outras palavras: eles estão na seca há milênios, e descontam isso em nós. Num conceito Espírita, os Greys são raças de 3° dimensão acima, (não pertencem a 4°), evoluíram muito em ciência mais não em sentimentos nobres (amor, caridade, carinho, afeto, etc.), são seres que estão interessados em raptar suas vítimas apenas para suas experiências, muitas vezes não se importam se suas vítimas sofrem com as dores de suas experiências. 

E como em qualquer raça que se preze, eles tem subtipos bastante interessantes: 

ZETA RETICULI GREYS (Alfa 1): Os Greys mais freqüentemente vistos têm em torno de 0,60 cm a 1,20m de altura, muito magros, olhar delicado, de baixo peso, olhos negros extremamente penetrantes e inclinados sem pupilas, vestígios de boca e nariz, cabeça muito grande, com queixo pontiagudo. A cor da pele varia do cinza escuro ao cinza claro; do pálido ao branco e pode também ser bronzeado. Não há pelos em seu corpo. Os Zetas são um dos envolvidos nas mutilações de gado, eles absorvem certos nutrientes das partes mutiladas do gado para se alimentar, essas substâncias provêm de partes como lábios, nariz, genitais e reto além do sangue. Para absorver os nutrientes, eles utilizam peróxido de hidrogênio, que facilita a absorção dos nutrientes pela pele, assim como facilita a eliminação do que sobrou da digestão celular, também feita pela pele. Os Zetas já foram referidos como "pequenos homens verdes" porque eles tendem a ficar com a pele esverdeada quando não recebem comida o suficiente. 

BELLATRAX GREYS (Alfa 2): Outros também comumente vistos são semelhantes aos descritos anteriormente, exceto nos seus 15,24 cm de altura, e parecem dar as ordens. Uma variação deste mesmo tipo descrito são os olhos negros arredondados como grandes botões negros. 

ORION GRAYS (Alfa 3): A outra raça de Greys é alta, com grande nariz. Eles possuem largo narizes e têm entre 2,13m a 2,43m de altura. Eles estão baseados nas Ilhas Aleutian e também já foram vistos na Rússia oriental. Essas criaturas são hostis, eles tentam nos influenciar utilizando governos, possuem tecnologia capaz de fazer coisas que para nós pareceria milagre. Num caso na Rússia, uma mulher com uma perna deformada foi capturada por estes seres e foi liberada a milhares de milhas da onde fora capturada, só que sua perna estava perfeita, curada. Mas os alienígenas não curaram sua perna, eles transplantaram outra perna no lugar da antiga. Os Orion Greys dão a impressão de serem benevolentes com os humanos, mas eles estão interessados mesmo em engenharia genética e os humanos são como cobaias, eles querem obter o controle das massas através de negociações com pessoas em altos cargos governamentais. 

Para quem ainda tem dúvidas para identificar esses humanóides cinzentos, eis uma breve descrição. Recomendo criar um check-list e deixá-lo sempre a mão, nunca se sabe, né? “Vai que...” 

  • Tamanho: +/- 1,30 m de altura 
  • Cabeça exageradamente desproporcional em relação ao corpo
  • Olhos negros em formato pontiagudo 
  • Poucas características faciais: possuem orifícios diminutos nos lugares da boca, do nariz e das orelhas
  • Pele viscosa de coloração cinzenta (ausência de pelos no corpo) 
  • Braços e pernas extremamente finos e alongados (em relação ao corpo) 
  • Mãos que apresentam quatro dedos finos e longos, dois maiores e dois menores (ausência de polegar) 
  • Pés parecidos com "garras" contendo quatro dedos em cada 
  • Possuem o sistema reprodutivo e o aparelho digestivo atrofiados. Realizam sua reprodução por um processo avançado de clonagem 
  • Sua genética tem certo parentesco com a dos insetos 
  • Comunicam-se por uma forma avançada de telepatia 

Só para finalizar, é válido salientar que alguns estudiosos acreditam que, supostamente, os Greys tenham feito alterações genéticas em nosso DNA ao longo dos milhares de anos da existência humana na Terra. Um outro aspecto de suas pesquisas parece envolver o cruzamento genético de humanos e greys, o que vem a gerar seres híbridos - "mais evoluídos" do que ambas as raças separadamente. Mas enfim, independentemente do seu (e meu) grau de ceticismo, é no mínimo curioso o fato de que pessoas por todo o mundo descrevem experiências semelhantes, seres parecidos com o que descrevemos, sons e imagens que se assemelham muito umas com as outras. Uma ilusão coletiva? A prova irrefutável da existência dos Greys? Não sei. Só sei que já deu para perceber que o mais próximo da simpatia que esses seres podem chegar, é trocar sua perna por outra e ver “se funciona”. Então se eu ou você se deparar com um cinzento, o melhor é correr e fugir para as montanhas. Sem esquecer do capacete de alumínio, ok? Security first


Aldrêycka Albuquerque

domingo, 24 de outubro de 2010

Os Olmecas

Olmecas - cabecas 2
Este post é dedicado a todos aqueles que após lerem este post ficaram interessados sobre os Olmecas, e tiveram que esperar dois meses e onze dias para conferi-lo, como eu tinha prometido. Demorou mais chegou, galera. Espero que gostem.
Ainda hoje sabe-se muito pouco sobre os Olmecas. Tão pouco que nem se tem certeza como esta civilização realmente se chamava, pois “olmeca” foi um nome asteca que posteriormente os arqueólogos colocaram, que significa “Habitantes do país da borracha” – pois na região onde esse povo habitou, existiam muitas seringueiras. Na verdade, o nome pelo qual essa civilização se reconhecia ficou perdido na história mesoamericana. Assim como informações importantes, como: se eles foram um Império; se tinham algum tipo de unidade entre as cidades ou se eram um povo constituído de diversas cidades-estado como os Maias; se eles foram realmente os primeiros povos “civilizados” da mesoamérica; se praticavam sacrifícios humanos; ou se tiveram ou não contato com povos da Europa, da Ásia ou da África. O pouco que se sabe dos Olmecas foi através de arqueólogos que ao estudarem os Astecas, encontraram artefatos e outros resquícios de uma civilização ainda mais antiga.

Acredita-se que os Olmecas viveram no México central por volta de 1500 a 400 anos antes de Cristo, e que eles foram a civilização-mãe de todas as civilizações mesoamericanas posteriores (astecas, maias, tolteca, etc). Em uma área pantanosa, localizada próximo à costa leste do México, mais precisamente nas regiões banhadas pelos rios Tonalá, Blasillo, Papaloapan e Chiquito foram encontradas uma série de esculturas e peças de cinzelagem que remontam a um caráter diferente do Maia, diferente do Tolteca, diferente do Asteca, do Zapoteca, do Mixteca e do Teotihuacano. Essas peças então foram classificadas como Olmeca. Os céticos acreditam que existe uma grande abstração na hora de se creditar o que realmente foi feito pelos Olmecas – meio que por eliminação, e isso gera uma grande possibilidade deste povo nunca terem existido de fato, concordam?

Existem 18 sítios arqueológicos com traços Olmecas em maior ou menor grau. Destes, três são muito superiores aos demais e então são considerados os centros desta civilização: La Venta, Tres Zapotes e San Lorenzo. Além desses três sítios arqueológicos, existem outros quinze localizados em sua proximidade que podem ter sido Olmecas ou, ao menos, influenciados por este povo. Por fim, sabemos que a única região da Mesoamérica onde não se encontram vestígios convincentes da cultura Olmeca é a região onde se desenvolveu a cultura Maia, deve haver, portanto, alguma explicação para isso. Sabemos, por fim, que após o século IV a.C. tornam-se cada vez mais raros os vestígios Olmecas até chegarem à total extinção dessa população.
olmecas - cabecas
Para muitos, La Venta poderia ter sido a capital de um possível Império Olmeca; não era a cidade mais antiga, mas, sem dúvida, era a mais bem conservada, além de ser a possível “criadora” de muita parte do estilo Olmeca. Pois bem, por volta do final da década de 70, com a crise do petróleo, este recurso se tornou muito caro e escasso no ocidente, o que fez com que o empenho das empresas prospectoras de petróleo estatais em encontrar novas fontes do material aumentasse. Foi o que aconteceu e, dessa forma, a PEMEX descobriu que embaixo do sítio de La Venta existia petróleo em abundância. O governo Mexicano não pensou duas vezes, autorizou a remoção de tudo o que estava no sítio e a instalação de uma central de extração de petróleo na pequena ilha fluvial. Resultado: foi criado, em Villahermosa, o Parque La Venta, onde estão os objetos retirados do sítio e as coisas que não puderam ser retiradas, como (simplesmente) a Pirâmide (talvez a mais antiga da América e, dessa forma, uma bela fonte de estudo para se chegar a um porque da construção desse tipo de edifício na América) foram destruídas.

Os olmecas poderão ter sido a primeira civilização do hemisfério ocidental a desenvolver um sistema de escrita. Símbolos descobertos em 2002 e 2006 foram datados de 650 a.C. e 900 a.C. respectivamente, precedendo a mais antiga escrita zapoteca datada de 500 a.C.. Conhecida como o bloco de Cascajal, a descoberta de 2006 feita num local próximo de San Lorenzo, mostra um conjunto de 62 símbolos, 28 dos quais são únicos, gravados num bloco de serpentina. Um grande número de arqueólogos proeminentes considerou que esta descoberta será "a mais antiga escrita pré-colombiana", porém há controvérsias. Outra invenção olmeca pode ter sido o calendário de contagem longa utilizado por muitas das civilizações mesoamericanas subsequentes, bem como o conceito de zero. Uma vez que os seis artefatos com as mais antigas datas segundo o calendário de contagem longa foram todos descobertos fora da região maia, então é provável que este calendário seja mais antigo que a civilização maia e possivelmente uma invenção olmeca. A contagem longa requeria o uso do zero no seu sistema numérico vigesimal. Um glifo com aspecto de uma concha --clip_image002 -- era usado como um símbolo do zero nas datas em contagem longa, a segunda mais antiga das quais, na estela C de Tres Zapotes, contém uma data correspondente a 32 a.C.. Este glifo é uma das mais antigas utilizações do conceito de zero na História.

Os Olmecas parecem ter sido os pioneiros a praticarem deformações cranianas, uma prática muito corriqueira entre os povos da América Pré-Colombiana. Essa prática consiste em um sem-número de modificações que os indivíduos de determinadas sociedades podiam provocar voluntariamente em seus filhos ainda bebês. É possível que houvesse entre os Olmecas uma espécie de hierarquização devida às deformações, tal qual houve entre os Maias (em Palenque, os governantes deveriam nascer com alguma deformação física para estarem aptos a governar, isto era visto como um presente divino; os que não nasciam assim, mutilavam-se em busca dessa proximidade com os deuses).
Olmecas - cabecas 4
O legado mais misterioso e marcante desta civilização são as grandes cabeças esculpidas em diversos materiais, entre eles basalto, com altura variando de 2 a 4 metros e pesando de 4 a 65 toneladas. Até hoje, são 17 as cabeças colossais desenterradas. Elas foram talhadas a partir de blocos individuais de basalto oriundos da Sierra de los Tuxtlas. As cabeças localizadas em Tres Zapotes, foram esculpidas em basalto do Cerro el Vigía, na extremidade oriental dos Tuxtlas. Por outro lado, as cabeças de San Lorenzo e de La Venta, foram provavelmente talhadas em basalto proveniente do Cerro Cintepec, no lado sudeste dos Tuxtlas, talvez nas oficinas do sítio vizinho de Llano del Jícaro, e arrastadas ou levadas por rio até ao seu destino final. Foi estimado que seriam necessários os esforços de 1500 pessoas durante três a quatro meses para deslocar uma cabeça colossal desta forma. Uma vez que nenhum texto pré-colombiano as explica, estes monumentos impressionantes têm sido objeto de muita especulação. Antes eram consideradas representações de jogadores, já atualmente se acredita que sejam retratos de governantes. Daí cria-se mais uma polêmica: a curiosa feição que tinham esses governantes.

Essas feições das grandes cabeças são chamadas de “Olmecóides” – faces redondas com narizes negróides, olhos mongólicos e lábios superiores protuberantes. Como se sabe, as feições comuns entre os aborígenes da América não era nem de longe parecida com essa feição “Olmecóide”, sendo assim, é possível que este tipo de rosto fosse o rosto de governantes com deformações cranianas. É lógico que tal aparência suscita logo a dúvida: teriam os Olmecas tido contato com negros Africanos? O estudioso Samael Aun Weor acredita que sim. Em uma de suas conferências sobre Antropologia Gnóstica, Weor afirmou que essas cabeças foram esculpidas há mais de 20 mil anos, quando a Atlântida não havia ainda submergido. Segundo ele, esse continente perdido unia na época a Europa, a África e as Américas, e era por ele que vinham, entre outros, peregrinos africanos visitar as pirâmides mexicanas. Dessa forma, muitos esotéricos e alguns estudiosos de cabeça mais aberta, acreditam que em honra à visita dos grandes reis africanos, os olmecas esculpiam essas enormes cabeças de pedra. O que se sabe ao certo é que essas Cabeças Olmecas possuem traços marcadamente negróides, muito diferente das feições daquele povo.
Feiçoes Olmecas e Amerindias

Outra curiosidade que ronda esses monumentos olmecas é o fato de que um grande número dessas cabeças foi mutilado. Não só mutilado, como enterradas e desenterradas, recolocadas em novos locais e/ou reenterradas. Sabe-se que pelo menos duas cabeças foram recicladas ou novamente talhadas, mas não se sabe se isto se deve apenas à escassez de pedra ou se tais atos tinham conotações rituais. Suspeita-se igualmente que o significado de algumas das mutilações vai além da mera destruição, mas alguns estudiosos não excluem conflitos internos. Alguns afirmam que os próprios olmecas destruíram muitas delas para simbolizar que esses reis-sacerdotes africanos não eram mais de confiança ou ainda que eles haviam morrido de forma violenta. Também existe a hipótese (essa menos provável) de que grupos inimigos dos olmecas destruíram algumas dessas cabeças em atos de violência e vandalismo.
Feiçoes Olmecas e Negroides

Bem, no final das contas, os Olmecas mesmo sendo uma civilização esquecida perante tantas outras mais famosas, que deixaram legados muito mais importantes, garantiram seu espaço no Estranho Curioso por terem tido colhões para construírem cabeças dantescamente horrorosas, levarem elas de um extremo a outro sabe-se Deus como e para que propósito, depois sumirem com seus rastros num passe de mágica. Só sobraram cabeças de basalto, que não eram nem parecidas com eles próprios, para contarem a história. Vai que os Olmecas pegaram a estrada dos seus governantes e foram parar na África?! Quem explica?
 
Aldrêycka Albuquerque






domingo, 3 de outubro de 2010

Sussurro – Hush, Hush

sussurro

“…Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas os lançou ao inferno e os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo…” 2ª Pedro 2:4

-“Sou da prole do demônio. Escutai com atenção, preciso de um favor. Não partirei até conseguí-lo. Preciso de vosso juramento de fidelidade. Vós sois um nephilim. Vosso verdadeiro pai foi um anjo expulso do céu. Metade do vosso sangue é mortal, metade é de anjo caído.”







Escrito pela mais nova escritora Becca Fitzpatrick, da [super] editora Intrínseaca, Sussurro é um romance meio thriller arrebatador, que não te deixa desgrudar os olhos do livro. Ao pegá-lo ontem às 15:30h, meu obejtivo era apenas começar a leitura, mas na verdade, fiquei até às 23:35 até terminá-lo. Só parei para “reabastecer’ (banheiro, água, lanchinho enquanto lia). Enfim, o livro de fato é instigante.

Antes de recomendá-lo a vocês, gostaria de lembrar que ele NÃO é um livro científico, porém um romance de ficção [entre um anjo caído e uma garota]. Mas como tem muitas referências a anjos, demônios, nephilins e ao Livro de Enoch, achei por bem de deixar aqui essa dica. Se alguém aqui pensou na saga crepúsculo, admito algumas poucas semelhanças, mas Sussurro seria uma versão muito melhorada. Sem meninas fúteis e idiotas, sem mocinhos/vilões de merda.

Também aproveito para deixar uma crítica: “Nunca se apaixonar por um demônio foi tão lindo, excitante e bem sucedido”. Pessoal, leiam este livro com os olhos do entretenimento, mas liguem o dispositivo do senso lógico, ok? Não existem demônios bonzinhos, nem existe a possibilidade deles sentirem paixão ou amor por ninguém! Muito menos existe a possibilidade de retorno ao céu [óbvio!] – anjo que caiu não sobe mais!! Mas enfim, em Sussurro tudo é lindo e empolgante, mas vamos abrir os olhos, ok? VAMO LER DE TUDO, E RETER O QUE É BOM – e verdadeiro!

Boa leitura pra quem quiser aceitar a dica!! No link abaixo você pode comprar de forma super rápida E SEGURA “Sussurro - Hush, Hush” pela Submarino. Eu garanto! Comprei meu exemplar por lá!



Submarino.com.br

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Entenda quem for capaz – Paradoxo dos Gêmeos

Paradoxo - Gemeos FIG
Apertem os cintos, pois a postagem de hoje é baseada na teoria da Relatividade Restrita – para os leigos, “Pura Física Moderna”. Antes de vocês fecharem a página e desistirem de ler este post vide sua complexidade, acreditem que essa é uma das coisas que você não pode morrer sem saber. Mesmo que você não entenda os pormenores nem o porquê deste paradoxo, saber que ele existe já te faz sair na frente da maioria.
Aproveito para creditar a idéia deste post a meu amigo Clerton, um físico de Harvard (uhauhauah) que trabalha comigo, e que diferentemente de mim e da maioria das pessoas desse mundo, ele entende plenamente o tal Paradoxo dos Gêmeos. Quanto a mim e aos outros pobres mortais, resta ler, ler, ler, e provavelmente continuar sem entender. #Oremos.
paradoxo dos gemeos
Mas primeiro, o que é PARADOXO?
Um paradoxo é uma declaração aparentemente verdadeira que leva a uma contradição lógica, ou a uma situação que contradiz a intuição comum. Em termos simples, um paradoxo é "o oposto do que alguém pensa ser a verdade" (Dicionário do Google)

Ok, então o que diz o PARADOXO DOS GÊMEOS?
O Paradoxo dos Gêmeos na verdade se trata de um “simples” enunciado que diz:
Sejam dois gêmeos A e B idênticos, estando o irmão A em uma nave espacial na qual ele viajará a uma velocidade muito próxima de c (velocidade da luz) - enquanto o outro, B, permanece em repouso na Terra. Para B, a nave está se movendo, e por conta disso ele pode afirmar que o tempo está correndo mais lentamente para seu irmão A que está na nave. Analogamente, A vê a Terra se afastar, pelo que ele pode, da mesma forma, afirmar que o tempo corre mais lentamente para B.Quando a nave retornar à Terra, qual dos dois efetivamente estará mais jovem? RESPOSTA PARADOXAL: O gêmeo que viajou.

Hem?!
Entender o que o enunciado do Paradoxo dos Gêmeos diz é a parte mais fácil, difícil mesmo é entender a lógica na qual ele se baseia. Vejamos duas definições a respeito, uma mais simples, outra mais complexa, para atender a todos os níveis de visitantes aqui do Estranho Curioso.
O Paradoxo dos Gêmeos, ou Paradoxo de Langevin, é um experimento mental envolvendo a dilatação temporal, uma das conseqüências da Relatividade restrita. Nele, um homem que faz uma viagem ao espaço numa nave de grande velocidade, voltará em casa mais novo que seu gêmeo que ficou. (WIKIPEDIA)
Homero e Ulisses são gêmeos idênticos. Ulisses viaja em alta velocidade para um planeta de outro sistema planetário e depois volta para casa; Homero permanece na Terra o tempo todo. Quando os dois tornam a se encontrar, ambos tem a mesma idade ou um está mais velho que o outro? A resposta correta é que Homero, o gêmeo que ficou na Terra, está mais velho que o irmão. Este problema, com algumas variações, têm sido objetivo de acaloradas discussões durante várias décadas, embora poucos cientistas hoje em dia concordem com a resposta acima. O problema é considerado um paradoxo porque, apesar de os gêmeos se encontrarem em uma situação aparentemente simétrica, um deles envelhece mais rapidamente que o outro. A solução do paradoxo consistem em reconhecer que, na verdade, a situação em que os gêmeos se encontram é assimétrica. O conflito entre o resultado ralativístico e o senso comum tem origem na crença arraigada, mas totalmente falsa, de que a simultaneidade entre dois eventos não depende do referencial. (SITE “LICENCIATURA EM MATEMÁTICA)
E como se todo mundo estivesse entendendo o porquê que o gêmeo que ficou na Terra ficou mais velho que o outro, o tal Paradoxo ainda trás uma bela fórmula matemática.
Lorentz
Eis a explicação da fórmula tão simpática acima:
A Relatividade restrita prevê que, dado um referencial inercial S e um outro referencial inercial S' tal que S' se move com velocidade constante v em relação a S, por meio de uma Transformação de Lorentz entre referenciais, encontramos a relação entre as coordenadas x,y,z e t do sistema S e as coordenadas x',y',z' e t' do sistema S' . Então como v é obrigatoriamente menor que c, temos que, para o corpo em movimento, o tempo corre mais lentamente do que para o corpo em repouso. (WIKIPEDIA)

WTF?!
É só o que rola na minha cabeça após essa enxurrada de loucuras da Física Moderna que só meu amigo Clerton e mais 0,0001% da população mundial entende (kkkk). De fato não entendi patavinas do motivo pelo qual o gêmeo que viajou ficou mais novo, mas acho que se tivessem descoberto de verdade essa resposta, a Natura já deveria ter triplicado seu faturamento com essa moderna “fórmula da juventude” (hahuahuahu).
Pois bem, foi lançado o desafio: PARADOXO DOS GÊMEOS – entenda quem for capaz! Eu não fui. hehehe

Aldrêycka Albuquerque

FONTES:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Paradoxo_dos_g%C3%AAmeos


UP (21/02/2011) - Um amigo me passou um vídeo muito legal a respeito. But in english, buddies. I hope you enjoy it!

A Tale of Two Twins from Yuanjian Luo on Vimeo.






Submarino.com.br


Clique no selo e boas compras!

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

VEC - O Misterioso Transporte dos Moais da Ilha de Páscoa

Vídeo Estranho Curioso - V.E.C. 4

Após a grande aceitação do último post sobre a misteriosa Ilha de Páscoa, encontrei uma série de vídeos do History Channel sobre "Mega Mudanças Misteriosas da Antiguidade", e o primeiro vídeo desta série de 5, fala justamente sobre como os Rapa-Nuis locomoviam os MOAIS para cima e para baixo por toda Ilha de Páscoa.



Para aqueles que ficaram curiosos sobre os Olmecas, citados no final deste vídeo, podem ficar tranquilos, eles serão a próxima civilização abordada aqui no Estranho Curioso. Fiquem ligados! Se inscrevam no nosso Feed (coluna da direita) para não perder nada.

Você tem algum Vídeo Estranho e Curioso para compartilhar? Nos envie o link que publicaremos. Nosso e-mail é oestranhocurioso@ig.com.br !






Submarino.com.br

Clique no selo e boas compras!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

A Misteriosa Ilha de Páscoa


Localizada nas águas perigosas sulistas do oceano Pacífico, com apenas 18 km² de terras áridas, originárias das erupções de quatro vulcões, hoje inativos, a ilha de Páscoa é considerada a porção de terra habitada mais isolada do restante da humanidade, em todo o Planeta. Qualquer terra mais próxima, está a uma distância de 3000 a 3200km, por isso seus habitantes chamam-na de Te pito o te henúa "umbigo do mundo". Este pequeno pedaço de terra da Oceania (entre o Chile e a Polinésia) foi descoberto por acaso pelo almirante holandês Jacob Roggeven, justamente num domingo de Páscoa de 1772, por isso o nome. Mas atualmente, é designada pelos nativos por Rapa-Nui “ilha grande” ou até por Mata ki te rangi "olhos fixados no céu". Mas qual seria o motivo de chamar uma ilha misteriosa de “olhos fixados no céu”? Talvez será essa a explicação? Bem, você vai entender estes questionamentos assim que souber um pouco sobre os mistérios que circundam a Ilha de Páscoa.


Ainda é incerta a data de ocupação de Rapa-Nui (forma como os nativos preferem chamar a ilha), estima-se que esta data está entre 600 a 900 anos DEPOIS de Cristo, esta data mostra que foram uma civilização bem recente, em comparação com as outras que vimos até agora. E ainda acredita-se que os primeiros habitantes de Páscoa foram polinésios vindos da Ásia em vez da América, como se supunha. ~Talvez estes ainda não sejam dados muito confiáveis, uma vez que a linguagem desse povo, o Rongorongo, ainda é um mistério não desvendado para a civilização moderna. Uns dizem que o motivo é que eles não tinham um sistema de escrita aprimorado, porém uma tentativa de escrita proveniente da influência espanhola pós colonização. Talvez seja esta apenas uma desculpa para explicar o motivo de todo o nosso conhecimento e tecnologia não serem capazes de entender uma escrita “tão arcaia” de um povo que viveu naquele lugar há tanto tempo. Como é que conseguimos decifrar os escritos sumérios, o povo mais antigo que se tem registro da humanidade, mas não conseguimos ler os escritos da Ilha de Páscoa, civilização tão mais recente? Eis o primeiro mistério.




O principal símbolo da ilha e provavelmente seu maior mistério, são os Moais, esculturas gigantescas com formas humanas esculpidas em pedras vulcânicas espalhadas por toda a ilha. Centenas de “homens gigantescos” espalhados pela pequena superfície da ilha, sempre no rosto com a mesma expressão e parecem vigiar os horizontes com olhar distante e sereno. Colossais, imponentes, insondáveis e pesando até 400 toneladas. Quase todas estas estátuas foram esculpidas na cratera do vulcão Rano Raraku por volta de 1300 d.C. pelos nativos, e são mais de mil estátuas de várias formas e tamanhos, as mais antigas estima-se que sejam do século 8 e são as menores, cerca de 5 metros; já as mais novas, datam do século 13 e algumas ainda estão presas as grandes pedras onde eram esculpidas, estas chegam a 21 metros e tem suas faces mais definidas. Quase todas essas estátuas estão de costas para o mar, olhando para o interior da ilha, os nativos dizem que é uma forma de proteção para Rapa-Nui. Segundo eles cada tribo possuía seus Moais e acreditavam que de seus olhos eram emanadas “energias” para seu povo. Isso pode explicar o porque de muitos moais estarem caídos com os rostos para o chão - durante séculos de guerras entre as tribos locais, eram derrubados os Moais para que estes parassem de “emitir força” para seus respectivos povos. Por volta do século 15, não se sabe o por que, o culto aos Moais foi deixado de lado e a ilha passou a se interessar pelo Tangata Manu, ou Homem Pássaro. De qualquer maneira, as estátuas da Ilha de Páscoa contêm em si uma pergunta imediata: como um lugar tão pequeno e isolado poderia originar uma cultura capaz de obras tão espetaculares? Há inúmeras décadas pesquisadores e arqueólogos têm se dedicado às questões que Páscoa suscita: quem de fato construiu os moais? Como eles eram transportados? O intuito da construção destes Moais era realmente para proteção da ilha? Então porque hoje o culto a eles foi deixado de lado? Mais mistérios creditados na conta da Ilha de Páscoa… 

A adoração ao “Homem Pássaro” rendeu a ilha diversas outras estátuas também esculpidas em pedra, diferentes dos outros Moais. Estes tinham cabeça de aves e corpo de homem. Alguns até se arriscam a dizer que aquela cabeça talvez seja uma alusão aqueles capacetes respiradouros dos astronautas. Tanto é que a lenda diz que homens vieram do céu e visitaram a ilha. Por isso os nativos os chamavam de “homens pássaros”, talvez seja por esse motivo que a ilha também é conhecida como Mata ki te rangi "olhos fixados no céu". Outro grande mistério é que nunca houve mais que 4000 habitantes na ilha de Páscoa, e se 70% destes eram mulheres, crianças e velhos, e parte da população de homens trabalhavam exclusivamente na agricultura, pouco menos dos 600 homens restantes não poderiam jamais terem sido os responsáveis pela construção de todos os Moais lá existentes. Teriam eles recebido alguma ajudinha de alguém de fora? E qual seria o motivo de existirem tantas estátuas idênticas (longilíneas, em pé, de cabeça quadrada e rosto cerrado) e apenas um Moai encontrado lá foge a regra, estando em posição diferente (abaixado) e de cabeça redonda? Quem consegue explicar? Como entender como aquele povo de pequeno número, sem ajuda de escravos e sem nenhum indício de qualquer tipo de meio de transporte, conseguia mover Moais de até 400 toneladas por até 20 km? Alguns nativos acreditam que as estátuas de pedras andavam sozinhas até os extremos da ilha, fruto da energia que algumas pessoas tinham. Será? Quem sabe eram visitantes que tinham o poder de interferir na gravidade, e quando foram embora, os nativos pararam de construir os Moais – tanto é, que hoje em dia encontrarmos na ilha tantas estátuas inacabadas. É fato que o lado esotérico é bastante forte na Ilha de Páscoa, a começar por seu formato triangular, que é um importante símbolo místico, além de que a ilha tem exatos 22 por 11 quilômetros, o que deixa intrigado os numerólogos. Rapa-Nui tem vários pontos usados para meditação, sobre uma de suas montanhas, por exemplo, pode-se ver o sol se nascendo e a lua se pondo na mesma linha; também possui três grandes crateras vulcânicas, localizadas curiosamente, uma em cada um dos três vértices da ilha. Os antigos polinésios sentiam que a ilha era um dos chacras do planeta, ou seja, um dos sete pontos de grande concentração de energia. Misteriosamente hoje, a Ilha de Páscoa é comprovadamente detentora de um grande campo magnético. Seria coincidência? Alguns chegam a dizer que o campo magnético é apenas um indício da presença extraterrestre neste lugar, e os Moais é que são a grande prova de que seres de outros planetas ou dimensões visitaram e interferiram na vida desta misteriosa ilha. E você? No que acredita?



Aldrêycka Albuquerque


FONTES:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ilha_de_P%C3%A1scoa
http://www.caminhosdeluz.org/A-148.htm
http://ciencias.biz/ATR/ilha_da_pascoa.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Moai
 
 
EXPANDA OS HORIZONTES!
Gostou do assunto? Quer saber mais sobre ele? Compre o livro Frommer´s Chile & Ilha de Páscoa pelo Submarino e garanta seu desconto. Gostou? Clique na imagem ou AQUI e confira o preço promocional. Só o Submarino te garante os melhores preços com os menores prazos para entrega. Tudo totalmente seguro! Confira o site!






VEJA TAMBÉM:  O Misterioso Transporte dos Moais da Ilha de Páscoa - Um vídeo incrível de uma série de reportagens da History Channel.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

O Astronauta de Palenque, um legado Maia

AINDA SOBRE OS MAIAS NESTE BLOG: O Estranho e Curioso Calendário Maia; Os Maias.



Localizado na entrada da península de Yucatán, perto da fronteira com a Nicarágua Guatemala, no estado mexicano de Chiapas, encontra-se o sítio arqueológico de Palenque, um dos grandes legados da civilização Maia. As ruínas deste sítio ocupam uma extensão de mais de 15 km e foram descobertas em 1773 por capitães espanhóis que vinham em busca de madeiras finas. Ao começarem a explorar a região notaram que as madeiras estavam em cima de edificações antigas e assim, aos poucos, foram descobrindo toda a preciosidade que estava logo abaixo dali, o Sítio Arqueológico de Palenque. Porém, só em 1950 o arqueólogo Alberto Ruz (do Instituto Nacional de Antropologia e de História do México) encontrou neste local algumas escadarias e túneis secretos que levaram-no a descobrir além de muitos artefatos, uma esquife dentro de uma pirâmide-túmulo decorada por uma figura no mínimo curiosa: Um astronauta.

Apesar deste povo ter erguido pirâmides, levantado fantásticas cidades em pedra e construído uma cultura inigualável na América daquele período, o que realmente nos intriga é o motivo que provavelmente entre os anos 750 e 900 d.C. a civilização maia simplesmente desapareceu. Alguns falam de uma violenta e prolongada seca que forçou este povo a abandonar suas cidades de pedra em busca de esperança em outras paragens. Porém a civilização moderna, desde 1996 tenta entender que espécie de crise interna poderia ter sido tão forte a ponto de mudanças climáticas repentinas provocarem o colapso total de uma civilização tão bem estruturada. A realidade é que não se sabe como, mas a civilização Maia simplesmente desapareceu.
 
 
As pirâmides Maias só representam templos ou observatórios astronômicos, mas a encontrada em Palenque foi a primeira pirâmide-túmulo descoberta. A pedra que cobre este sarcófago (do Rei Paccal) tem um comprimento de 3,5m por 2,2m de largura, pesa aproximadamente 5 toneladas, e o esqueleto encontrado nesta cripta foi denominado o “Homem da máscara de jade”. Este esqueleto trazia uma morfologia bastante diferente do povo Maia - era muito mais alto, por isso inicialmente pensou-se que estes eram os restos mortais do deus branco Kukulkan, descrito pela civilização maia como um homem totalmente diferente deles e que veio dos mares. Segundo os Maias ele era um homem alto, branco, de longos cabelos, barba branca, olhos azuis e crânio alongado. E este “homem” foi quem ensinou a este povo sobre tempo e espaço, além da arte de construir pirâmides. Tanto é que eles construíram para ele (em homenagem ou adoração) a “Pirâmide de Kukulkan”, um zigurate de pedra de quatro lados que na verdade é um calendário, que somando-se os 91 degraus de cada lado mais a sua plataforma, o total é 365, como os dias do ano. O incrível é que os Maias ergueram a pirâmide de modo que no equinócio, o sol atinja a face norte criando a sombra de um serpente gigante. Curioso, não? 

O Astronauta de Palenque ficou muito famoso após o escritor suiço Erick Von Däniken, autor do best-seller “Eram os deuses astronautas?" (1966), visitar o local da tumba, fotografar e mostrar ao público sua descoberta: um astronauta pilotando sua nave, estampando o sarcófago do Rei Paccal. Após a visão futurista de Däniken para esta gravura, foram-se expandindo as interpretações para ela.

O motivo central dessa tampa é um Maia vestido à moda de seu tempo, porém ele se encontra encerrado e assentado no que poderíamos chamar atualmente de uma cápsula espacial de propulsão a reação, sendo que suas mãos estão no comando, sua cabeça trazia capacete, tendo ela ligada a um suporte, seu nariz ligado a um tipo de inalador; na parte dianteira são visto três receptores de energia, com bobinas perfeitamente reproduzidas; a do nariz toca um papagaio (entre os maias esse pássaro simboliza o sol); outros captadores de energia podem ser vistos na parte dianteira, por três séries de três, e formados em tubos; na parte posterior, o motor se divide em quatro partes; é seguido por um grupo de torneiras prolongadas por chamas de escapamento encurvadas em volutas; sobre os lados, tomadas de ar; uma penagem posterior extremamente bem perfilada. Parece que os meios de propulsão eram de duas naturezas diferentes: uma de origem solar (simbolizada pelo papagaio (sol) tocando a antena receptora dianteira), e a outra de origem talvez terrestre (simbolizada pelos dois sinais "motores" situados às costas do piloto). FONTE: Burn - Michelle P. Castro
  

Esse conhecimento Maia extremamente avançado creditado ao deus Kukulkan, um ser totalmente diferente deste povo, nos deixa no mínimo curiosos a respeito da origem desse ser, não é mesmo? Na verdade chegamos a nos questionar se este povo teria realmente feito uma emigração em massa ou eles teriam sido seqüestrados por extraterrestres e levados para outro planeta. Quem sabe o tal deus branco Kukulkan no final das contas voltou como prometeu que faria e levou com ele toda a civilização Maia? Existem até aqueles que acreditam que esta gravura seja de um ser humano “do futuro” que tenha voltado no tempo e interferido na história. Quem vai saber ao certo? Talvez mais uma vez os Anunnakis fizeram contato e interferiram novamente na história da humanidade, não só com os Sumérios, mas também com os Maias. Talvez no futuro tenhamos tecnologia para trafegar entre tempo e espaço e por algum motivo vamos interferir na vida destes povos e depois sumir com eles? Isso ainda não sabemos, talvez nunca saberemos, mas a evidência de desenhos e esculturas de astronautas não só é uma constante na cultura Suméria, como também nos grandes arquitetos Maias. E falando em arquitetura, vocês já compararam o estilo de arquitetura destes dois povos? Qualquer semelhança talvez NÃO SEJA mera coincidência.


 
Aldrêycka Albuquerque



FONTES:
http://www.projetosonda.com.br/ufos_hist/maias/maias.htm

http://umbilicum.blogspot.com/2009_06_01_archive.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Palenque

http://www.burn.org.br/modules.php?file=article&mode=thread&name=News&order=0&sid=221&thold=0

http://pt.wikipedia.org/wiki/Erich_von_D%C3%A4niken

http://www.cubbrasil.net/index.php?option=com_content&task=view&id=2138&Itemid=88



EXPANDA OS HORIZONTES!  
Gostou do assunto? Quer saber mais sobre ele? Compre o livro A CIVILIZAÇÃO MAIA de Paul Gendrop pelo Submarino e garanta seu desconto. Gostou? Clique na imagem ou AQUI e confira o preço promocional. Só o Submarino te garante os melhores preços com os menores prazos para entrega. Tudo totalmente seguro! Confira o site!

sábado, 7 de agosto de 2010

O Estranho e Curioso Calendário Maia


AINDA SOBRE OS MAIAS NESTE BLOG: O Astronauta de Palenque, um legado Maia; Os Maias.

maiascalendario 

Antes de ler sobre o calendário Maia você deverá saber um pouco mais sobre este povo e sua cultura no post anterior (Os Maias - O Estranho Curioso). Agora que você já sabe um pouco mais sobre essa curiosa civilização antiga, está preparado para ler um pouco sobre o polêmico calendário apocalíptico que eles criaram. Na verdade eles criaram não um, mas um conjunto de calendários que se complementavam e criavam vários círculos menores e um círculo maior de 52 anos solares. Esses círculos podem ser comparados aos nossos dias, que agrupados viram semanas, que agrupadas virão meses, que agrupados virão anos. Comparando-se ao conjunto de círculos maias, os dias seriam os círculos menores e os anos os círculos maiores. Porém a contagem de tempo era feito de forma diferente. Acompanhem o raciocínio Maia da época.


espiral A grande importância dada por este povo à medição do tempo decorre da concepção que tinham de que tempo e espaço, na verdade, tratam-se de uma coisa só e que fluem não linearmente (como na concepção européia ocidental), mas circularmente, isto é, em ciclos repetitivos. O conceito chama-se Najt e é representado graficamente por uma espiral. Os maias acreditavam que, conhecendo o passado e transportando as ocorrências para idêntico dia do ciclo futuro, os acontecimentos basicamente se repetiriam, podendo-se assim, prever o futuro e exercer poder sobre ele. Por esta razão, a adivinhação era a mais importante função da religião dos Maias. Tanto é, que a palavra maia usada para designar seus sacerdotes, tem origem na expressão guardião dos dias.

O calendário maia é um sistema de calendários e almanaques distintos, usados pela civilização Maia e por algumas comunidades maias modernas dos planaltos da Guatemala. Estes calendários podem ser sincronizados e interligados e suas combinações darão origem a ciclos adicionais mais extensos. Eram dois os calendários primordiais usados pelos Maias: O Haab, o calendário das coisas e das plantas; e o Tzolk’in, o calendário das pessoas e cerimônias.

calendario-maia-01Haab: Era o que possuía o ciclo equivalente a um ano solar e tinha ordinariamente 18 meses de 20 dias (mais cinco dias sem nome), seu uso era mais ligado às atividades agrícolas, como na prescrição das datas de plantio, colheita, tratos culturais e previsão dos fenômenos meteorológicos.
Tzolk’in: Possuía treze meses de vinte dias, com ciclo completo de 260 dias, era usado para as funções religiosas. Através dele se marcavam as cerimônias religiosas, se fazia a adivinhação das pessoas e se encontravam as datas propícias para seus atos civis. Assim que nascia uma criança, os maias as apresentavam aos sacerdotes que, em função do dia do nascimento, adivinhavam a futura personalidade da criança, seus traços marcantes, suas propensões, habilidades e dificuldades, analogamente ao horóscopo mesopotâmico.

Os mais também utilizavam a combinação deste dois calendários, chamado de Calendário Redondo. Isto porque nem o Tzolk'in, nem o Haab mediam os anos. O ciclo inteiro do calendário redondo (quando os dois calendários se completavam) era fechado a cada 18.980 dias ou 52 anos aproximadamente, acima da esperança de vida média da época. Quando ocorriam estas datas formavam-se grandes agitações entre os habitantes. Como o Calendário Redondo media apenas 52 anos foi necessário criar um outro calendário de maior duração, foi criado então o Calendário de Longa Contagem. Os dias maias se chamam k'in e o agrupamento destes levam outra nomenclatura como descrito na tabela abaixo.
Calendario - Maia - LC


O Calendário de Longa Contagem identifica uma data contando o número de dias da data de criação maia (4 Ahaw, 8 Kumk'u ou 11 de agosto de 3.114 a.C. do calendário gregoriano). O calendário maia não utiliza o sistema decimal, mas basea-se na contagem vigesimal  (de 20 em 20), exceto para os winals que são 18. Estudiosos defendem que a observação da repetição cíclica das estações do ano e seus eventos climáticos; dos ciclos vegetativos e reprodutivos das plantas e dos animais; e da repetição do curso dos astros na abóbada celeste, é que acabou inspirando os Maias à criação não linear de seus calendários.
Tabela CL 
A partir dessa contagem, pode-se perceber que o Calendário de Contagem Longa é um grande ciclo de 13 baktuns (aproximadamente 5.126 anos), que segundo alguns estudiosos termina em 21 de dezembro de 2012. Eis a polêmica. Isto porque o Popol Vuh, um dos poucos livros que restaram da civilização maia, afirma que estamos vivendo atualmente no quarto estágio da criação. Ainda segundo este livro, nas primeiras três criações os deuses falharam, mas a quarta tentativa foi bem sucedida, mas esta fase terminará no começo do 13º b'ak'tun. A criação anterior (a terceira) terminou em uma contagem longa de 12.19.19.17.19. Com a premissa cíclica maia, um outro 12.19.19.17.19 ocorrerá em 20 de dezembro de 2012, seguido pelo começo do décimo quarto b'ak'tun, 13.0.0.0 .0, que será em 21 de dezembro de 2012.

Maias - HISTORIA DO MUNDO Entretanto muita gente acha que essa interpretação apocalíptica do Calendário Maia é errônea e este evento trata-se apenas do complemento de um ciclo e início de mais um. Dessa forma, o dia 21 de dezembro de 2012 é apenas o último dia do 13º b'a'ktun, não é o final da contagem longa, pois ainda se seguirão os b'a'ktuns 14º a 20º. Independentemente da polêmica entre o fim de um ciclo e o fim da quarta criação (nós), o que é certo é que não se pode duvidar da capacidade astronômica deste povo que sem os instrumentos do século XVI da Europa conseguiram calcular um ano solar de 365,2420 dias (mais exatos e pioneiros que os europeus).

Analisando por uma outra ótica, as profecias dos maias podem ser interpretadas como uma nova era para a humanidade e não o seu extermínio, já que existem inscrições de previsões até para o ano de 4.772, por exemplo. Dessa forma, estariam os maias na verdade prevendo um alinhamento galáctico que se ocorre a cada 26 mil anos no qual o sol se alinha com o centro da via láctea? Ou estariam prevendo a mudança do eixo da terra em relação à esfera celeste em 21 de dezembro de 2012? Fica a dúvida.

Aldrêycka Albuquerque

Quer se aprofundar no assunto? Visite os links abaixo que foram as fontes de pesquisa para este texto e não deixem de visitar o Escriba Cafe para escutar um excelente PodCast sobre o assunto. AQUI você escuta o PodCast em questão, mas AQUI você visita a página para procurar Podcasts sobre outros assuntos do seu interesse.
   

FONTES:
http://www.doismiledoze.com/maias-o-calendario/
http://www.fimdomundo2012.com/profecias-2012/calendario-maia-2012.htm/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Calend%C3%A1rio_maia/





 EXPANDA OS HORIZONTES!


Gostou do assunto? Quer saber mais sobre ele? Compre o livro "OS MAIAS" de Wanderley Loconte pelo Submarino e garanta o menor preço do mercado. Gostou? Clique na imagem ou AQUI e confira. Só o Submarino te garante os melhores preços com os menores prazos para entrega. E tudo totalmente seguro! Confira o site!

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Os Maias

AINDA SOBRE OS MAIAS NESTE BLOG: O Estranho e Curioso Calendário Maia; O Astronauta de Palenque, um legado Maia.


Após uma série de matérias sobre os curiosos Sumérios, vi a necessidade de falarmos sobre a civilização Maia, tão interessante, dona de um calendário apocalíptico tão polêmico nos dias atuais.
  maias
Os indícios da origem da civilização Maia remontam de 700 a 500 anos antes de Cristo, contudo pesquisas recentes já acreditam que ela seja ainda mais antiga, estabelecida há cerca de 1500 a.C. onde hoje fica a região entre a Guatemala, o ocidente de Honduras, Belice, e os atuais estados de Yucatán, Quintana Roo, Campeche, parte de Chiapas e Tabasco, no México. Estipula-se que no auge dessa civilização, no século VIII, sua população pode ter chegado a marca de 13 milhões de habitantes. Um povo extremamente espiritualista, filosófico, que comumente praticava sacrifício humano como forma de abastecer a energia dos deuses, donos de uma escrita extremamente complicada e de um calendário cíclico deveras interessante.

Sociedade e Cultura
maias2A sociedade Maia era organizada em clãs familiares fechados. Cada clã era integrado por linhagens de hierarquia distinta, de acordo com a distância que os separava de seu antecessor fundador, muitas vezes imposto através da violência de certos grupos sobre outros. O sistema hierárquico Maia era rigidamente estabelecido, e se orientava pela presença de três classes sociais: no topo ficavam os governantes, os funcionários de alto escalão e os comerciantes; no meio os funcionários públicos e os trabalhadores especializados; e na base da pirâmide ficavam os camponeses e trabalhadores braçais. Apesar de não serem escravos, os camponeses eram considerados “gente inferior” e se rendiam aos senhores da nobreza. Assim como toda casta, eles contavam com suas próprias entidades familiares, relacionadas com a atividade que desenvolviam.
A vida dos Maias foi de base urbana, mas com um meio campestre e agrícola. Entre os edifícios políticos monumentais e cerimoniais os palácios e templos, localizavam-se os bairros dos artesãos, os comerciantes, os agricultores e as terras lavradas. Na verdade, o esplendor da sociedade maia é fundamentalmente explicado pelo controle e as disciplinas empregadas no desenvolvimento da agricultura. Entre os vários alimentos que integravam a dieta alimentar dos maias, podemos destacar o milho (de grande consumo), o cacau, o algodão e o agave. Para ampliar a vida útil de seus terrenos, os maias costumavam organizar um sistema de rotação de culturas – bastante inteligentes, não? Obrigados a enfrentar um meio hostil, e a grande variação climática da região, que causava as secas freqüentes, os Maias desenvolveram outras estratégias bastante sofisticadas e grandes obras de engenharia para acumular água.
 
Espiritualidade
maiareligiaoOs maias acreditavam que uma energia biocósmica atravessava as pessoas, os animais, as plantas e os seres inanimados, imprimindo neles a sua razão de ser. Quanto maior fosse a carga de energia, maior era a categoria e a importância de cada ser vivo, coisa, ou entidade. Eles acreditavam que o desgaste descomunal dos deuses era compensado com o sangue humano dos sacrifícios, esta crença no poder “de combustível” do sangue humano mostra deuses vulneráveis. E o interessante é que o papel do homem se destacava como primordial para manter o Universo – os sacrifícios humanos eram necessários para assegurar a existência dos deuses, repondo seu consumo periódico de bioenergia. Já a noção Maia do “Outro Mundo” era centralizada no subsolo, e abraçava uma dimensão mais complexa, um universo paralelo ao dos seres vivos, que incluía o céu, a superfície terrestre, a profundidade do oceano e a espessura da floresta. O Outro Mundo, segundo acreditavam, resguardava os segredos do cosmos e do transcurso do tempo, os mistérios da vida e o destino dos seres humanos. Definitivamente era um povo extremamente filosófico e espiritualista.
 
Jogo de Bola
MaiasbolaOs primeiros craques da bola possivelmente foram os Maias. Eles se dispunham em um campo em formato de H, cujas dimensões não eram as mesmas em todas as cidades (a maior era de Chichén Itzá, que media 140x35 metros), os times costumavam integrar sete jogadores cada um e os jogadores podiam desafiar os deuses das trevas, enfrentá-los e vencer a morte. Dois muros inclinados de cada lado do campo fazem o limite. Os jogadores deviam acertar a bola em algum dos três discos de pedra distribuídos no campo, ou nos aros do mesmo material suspensos nas paredes, em forma perpendicular a um aro atual de basquete. Curiosamente, a bola era de borracha, extremamente pesada e dura. Media aproximadamente 20 cm de diâmetro. A análise da múmia de um príncipe Maia permitiu saber que ele havia morrido por causa de uma ruptura do esterno, fruto de um golpe brutal com a bola. Esta podia ser golpeada com os cotovelos, a cadeira e os joelhos. Geralmente, a partida terminava quando alguma das equipes marcava o primeiro gol. O capitão do time vitorioso alcançava a honra e a glória, e podia ser oferecido aos deuses (em sacrifício!).
 
Escrita
maiasescritaDas três grandes civilizações ameríndias, os Maias foram os que desenvolveram o sistema de comunicação por sinais mais sofisticado. Os Incas não tinham a escrita, praticando um sistema contável e de memorização denominados por nós de quipo. Os astecas desenhavam pictogramas menos abstratos. Por outro lado, os Maias aplicavam o princípio de uma escrita fonética, o que se tornou um dos grandes desafios para os pesquisadores desta civilização. A decifração do seu complexo sistema de escrita é um dos maiores empecilhos, uma vez que os signos empregados podem representar sons, idéias ou as duas coisas ao mesmo tempo. Além disso, indícios atestam que eles utilizavam diferentes formas de escrita para um único conceito. Os hieróglifos formavam um sistema complexo de escrita e linguagem gráfica integrado por mais de setecentos signos, especiais para representar qualquer classe de pensamento. Eles seguiam um desenho altamente elaborado, e deviam ser feitos com exatidão, a partir do desenho de um quadrado com as bordas arredondadas, com elementos cravados no interior, acompanhados por uma série de signos localizados no exterior. Eles atribuíam poderes mágicos aos seus desenhos e pictografias. A sua execução era um modo de compreender o cosmos e a essência dos seres vivos, inanimados e imaginários. Eles escreviam em diferentes materiais: em pedra para os relatos dinásticos; em papel para as profecias, astronomia e calendário; além de materiais como conchas marinhas, cerâmica, jade, madeira, metal e osso. Ao contrário de outras civilizações, não foram encontradas entre os maias escritas estritamente administrativas, nem registros contáveis. Os escrivãos tampouco se dedicaram a questões materiais, todas as frases que foram traduzidas se referem a assuntos dinásticos e sagrados.
 
O Calendário
maiascalendarioOs Maias tiveram uma ampla gama de conhecimentos desenvolvidos no interior de sua cultura. De acordo com algumas pesquisas, eles utilizavam um sistema de contagem numérica baseada em unidades vigesimais (de 20 em 20), e assim como os olmecas, utilizavam o número “zero” na execução de operações matemáticas. O calendário Maia é bastante próximo ao sistema anual empregado pelos calendários modernos, eles tinham tamanha exatidão (o mais perfeito entre os povos mesoamericanos) que eles eram capazes de organizar suas atividades cotidianas e registrar simultaneamente a passagem do tempo, historiando os acontecimentos políticos e religiosos que consideravam cruciais. Para eles, um dia qualquer pertence a uma quantidade maior de ciclos do que no calendário ocidental.

O ano astronômico de 365 dias, denominado Haab, era acrescentado ao ano sagrado de 260 dias chamado Tzolkin. Este último regia a vida da “gente inferior”, as cerimônias religiosas e a organização das tarefas agrícolas. O ano Haab, e o ano Tzolkin formavam ciclos, ao estilo de nossas décadas ou séculos, mas contados de vinte em vinte, ou integrados por cinqüenta e dois anos. Eles estabeleceram um “dia zero”, que segundo os cientistas corresponde a 12 de agosto de 3113 a.C. Não se sabe o que aconteceu, mas provavelmente esta se trata de uma data mítica. A partir deste dia os ciclos se repetiam. Entretanto, a repetição dominava a linearidade. Podiam acontecer coisas diferentes nas datas anteriores de cada período de vinte ou cinqüenta e dois anos, mas cada seqüência era exatamente igual à outra, passada ou futura. Assim diz o Livro de Chilam Balam: “Treze vezes vinte anos, e depois sempre voltará a começar”.  A repetição cria problemas para traduzir as datas maias ao nosso calendário, já que fica muito difícil identificar fatos parecidos de seqüências diferentes. A invasão tolteca do século X se confunde nas crônicas maias com a invasão espanhola que ocorreu 500 anos depois. Por isso, os livros sagrados dos maias eram simultaneamente textos de história e de predição do futuro. Na perspectiva maia, passado, presente e futuro estão em uma mesma dimensão. Por outro lado, os historiadores contemporâneos recorrem às profecias maias para conhecer episódios do passado desta sociedade, com a profecia se expressando como uma forma de memória.
Porém nos dias atuais uma atmosfera apocalíptica envolve o calendário maia e suas profecias. No próximo post você saberá mais sobre este calendário, as teorias conspiratórias de 2012 e até um ótimo podcast didático sobre o assunto. Fique esperto.

Aldrêycka Albuquerque


FONTE:
http://www.historiadomundo.com.br/maia/
http://www.discoverybrasil.com/guia_maia/omaiab/index.shtml
http://pt.wikipedia.org/wiki/Calend%C3%A1rio_maia






 EXPANDA OS HORIZONTES!

Gostou do assunto? Quer saber mais sobre ele? Compre o livro "As Profecias Maias" de Adrian Gilbert pelo Submarino e garanta seu desconto. Gostou? Clique na imagem ou AQUI e confira o preço promocional. Só o Submarino te garante os melhores preços com os menores prazos para entrega. Tudo totalmente seguro! Confira o site!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Tuítes Apocalípticos do Porque2012